BANCO DE QUESTÕES

Por Matéria


OAB - BR / Segunda Fase


Exercício Trecho enunciado da questão Ano Entidade promotora Visualizar
50020

Lírian, dona de casa, decide fazer compras em determinado dia e, para chegar ao mercado, utiliza seu carro. Ocorre que, logo após passar por um movimentado cruzamento da cidade de Londrinópolis e frear seu carro obedecendo à sinalização do local que indicava a necessidade de parar para que pedestres atravessassem, Lírian tem seu veículo atingido na traseira por outro veículo, dirigido por Danilo. Como Danilo se recusa a pagar voluntariamente os prejuízos gerados a Lírian, resolve ela ajuizar ação indenizatória em face de Danilo, pelo rito comum sumário, que considera mais célere e adequado, uma vez que não deseja realizar prova pericial, com a finalidade de receber do réu a quantia correspondente ao valor de cento e vinte salários mínimos. Ocorre que Danilo acredita só ter batido no carro de Lírian porque, instante antes, Matheus bateu no seu carro, gerando um engavetamento. Por tal razão e temendo ter que reparar Lírian pelos prejuízos gerados, Danilo resolve fazer uma denunciação da lide em face de Matheus com a finalidade de agir regressivamente contra ele em caso de eventual condenação.

Agiu corretamente Danilo ao realizar a denunciação da lide em face de Matheus?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50019

Lírian, dona de casa, decide fazer compras em determinado dia e, para chegar ao mercado, utiliza seu carro. Ocorre que, logo após passar por um movimentado cruzamento da cidade de Londrinópolis e frear seu carro obedecendo à sinalização do local que indicava a necessidade de parar para que pedestres atravessassem, Lírian tem seu veículo atingido na traseira por outro veículo, dirigido por Danilo. Como Danilo se recusa a pagar voluntariamente os prejuízos gerados a Lírian, resolve ela ajuizar ação indenizatória em face de Danilo, pelo rito comum sumário, que considera mais célere e adequado, uma vez que não deseja realizar prova pericial, com a finalidade de receber do réu a quantia correspondente ao valor de cento e vinte salários mínimos. Ocorre que Danilo acredita só ter batido no carro de Lírian porque, instante antes, Matheus bateu no seu carro, gerando um engavetamento. Por tal razão e temendo ter que reparar Lírian pelos prejuízos gerados, Danilo resolve fazer uma denunciação da lide em face de Matheus com a finalidade de agir regressivamente contra ele em caso de eventual condenação.

Agiu corretamente Lírian ao optar pelo ajuizamento da ação indenizatória segundo o rito comum sumário?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50018

Valter, solteiro, maior e capaz, proprietário de um apartamento, lavrou, em 2004, escritura pública por meio da qual constituiu usufruto vitalício sobre o referido imóvel em favor de sua irmã, Juliana, solteira, maior e capaz. Em seguida, promoveu a respectiva averbação junto à matrícula do Registro de Imóveis. Em 2005, Juliana celebrou com Samuel contrato escrito de aluguel do apartamento pelo prazo de um ano. Concluído o prazo, Samuel restituiu o imóvel a Juliana, que passou a ocupá-lo desde então. Em janeiro de 2011, Valter veio a falecer sem deixar testamento, sendo único herdeiro seu filho Rafael, solteiro, maior e capaz. Diante disso, Rafael procura Juliana, a fim de que ela desocupe o imóvel.

Está Juliana obrigada a desocupar o imóvel em razão do falecimento de Valter?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50017

Valter, solteiro, maior e capaz, proprietário de um apartamento, lavrou, em 2004, escritura pública por meio da qual constituiu usufruto vitalício sobre o referido imóvel em favor de sua irmã, Juliana, solteira, maior e capaz. Em seguida, promoveu a respectiva averbação junto à matrícula do Registro de Imóveis. Em 2005, Juliana celebrou com Samuel contrato escrito de aluguel do apartamento pelo prazo de um ano. Concluído o prazo, Samuel restituiu o imóvel a Juliana, que passou a ocupá-lo desde então. Em janeiro de 2011, Valter veio a falecer sem deixar testamento, sendo único herdeiro seu filho Rafael, solteiro, maior e capaz. Diante disso, Rafael procura Juliana, a fim de que ela desocupe o imóvel.

Poderia Juliana ter alugado o apartamento a Samuel?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50016

Maria, casada em regime de comunhão parcial de bens com José por 3 anos, descobre que ele não havia lhe sido fiel, e a vida em comum se torna insuportável. O casal se separou de fato, e cada um foi residir em nova moradia, cessando a coabitação. Da união não nasceu nenhum filho, nem foi formado patrimônio comum. Após dez meses da separação de fato, Maria procura um advogado, que entra com a ação de divórcio direto, alegando que essa era a visão moderna do Direito de Família, pois, ao dissolver uma união insustentável, seria facilitada a instituição de nova família. Após a citação, João contesta, alegando que o pedido não poderia ser acolhido, uma vez que ainda não havia transcorrido o prazo de dois anos da separação de fato exigidos pelo artigo 40 da Lei 6.515/77.

Caso houvesse consenso, considerando as inovações legislativas, o ex-casal poderia procurar via alternativa ao Judiciário para atingir o seu objetivo?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50015

Maria, casada em regime de comunhão parcial de bens com José por 3 anos, descobre que ele não havia lhe sido fiel, e a vida em comum se torna insuportável. O casal se separou de fato, e cada um foi residir em nova moradia, cessando a coabitação. Da união não nasceu nenhum filho, nem foi formado patrimônio comum. Após dez meses da separação de fato, Maria procura um advogado, que entra com a ação de divórcio direto, alegando que essa era a visão moderna do Direito de Família, pois, ao dissolver uma união insustentável, seria facilitada a instituição de nova família. Após a citação, João contesta, alegando que o pedido não poderia ser acolhido, uma vez que ainda não havia transcorrido o prazo de dois anos da separação de fato exigidos pelo artigo 40 da Lei 6.515/77.

Nessa situação é juridicamente possível que o magistrado decrete o divórcio, não obstante não exista comprovação do decurso do prazo de dois anos da separação de fato como pretende Maria?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50014

Maria, funcionária de uma empresa transnacional, foi transferida para trabalhar em outro país e, por isso, celebrou contrato de compra e venda de seu apartamento com João, prevendo que Maria poderia resolver o contrato no prazo de um ano, desde que pagasse o preço recebido pelo imóvel e reembolsasse as despesas que João tivesse com  ele. O referido contrato de compra e venda foi devidamente levado ao registro de imóveis com atribuição para tal.

Nesse período, João vendeu o apartamento para Mário, que tinha conhecimento de que ainda estava no prazo de Maria retomar o imóvel e lá foi residir com sua esposa.

Contudo, Maria retornou ao Brasil antes do período de um ano estipulado e, ao ter ciência de que o novo proprietário do apartamento era Mário, notificou-o de que desejaria retomar o imóvel, com o pagamento do valor do imóvel mais as despesas realizadas. Mário, porém, recusou o recebimento das quantias, afirmando que o contrato sujeito à cláusula resolutiva foi pactuado com João, não vinculando a terceiros.

Assiste razão a Mário?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50013

Em ação de execução de alimentos, foi decretada a revelia de Francisco, que somente ingressou na ação dois meses após a publicação da decisão que determina a penhora do imóvel e do veículo automotor de sua propriedade, insurgindo-se contra a contrição patrimonial sob o argumento de bem de família, pois se trata de imóvel destinado a sua moradia, não obstante nele residir sozinho, e o automóvel ser utilizado como táxi. Igor, o exequente, tem conhecimento de que Francisco, seu pai, recebera, como herança, outros bens imóveis, todavia, com cláusula de inalienabilidade e impenhorabilidade.

Os bens indicados são considerados impenhoráveis?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50012

Em ação de execução de alimentos, foi decretada a revelia de Francisco, que somente ingressou na ação dois meses após a publicação da decisão que determina a penhora do imóvel e do veículo automotor de sua propriedade, insurgindo-se contra a contrição patrimonial sob o argumento de bem de família, pois se trata de imóvel destinado a sua moradia, não obstante nele residir sozinho, e o automóvel ser utilizado como táxi. Igor, o exequente, tem conhecimento de que Francisco, seu pai, recebera, como herança, outros bens imóveis, todavia, com cláusula de inalienabilidade e impenhorabilidade.

Há possibilidade de arguição extemporânea de Francisco?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50011

Cristina dos Santos desapareceu após uma enchente provocada por uma forte tempestade que assolou a cidade onde morava. Considerando estar provada a sua presença no local do acidente e não ser possível encontrar o corpo de  Cristina para exame, responda aos itens a seguir,  empregando os argumentos jurídicos apropriados e a fundamentação legal pertinente ao caso.

Trata-se de hipótese de morte presumida?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50010

O Banco Dinheiro a Todo Instante S.A. propõe ação de execução baseada em título executivo extrajudicial em face de José Raimundo dos Santos, no valor de R$ 15.000,00 (quinze mil reais), distribuída em 16 de julho de 2010. O executado possuía alguns bens, entre eles dois automóveis, uma pequena lancha, um único imóvel, além de investimentos financeiros.

Prosseguindo na execução, a instituição financeira pleiteia ao magistrado, nos termos do artigo 655-A do CPC, a penhora on-line dos ativos financeiros existentes em nome do executado.

O juiz,  por sua vez, negou o pedido afirmando que, de acordo com o princípio do menor sacrifício do executado, disposto no artigo 620 do Código de Processo Civil, devem ser esgotados todos os meios possíveis e lícitos para que sejam nomeados à penhora outros bens que garantam o processo de execução.

Irresignada, a instituição agrava da decisão, e o desembargador relator, em decisão monocrática, mantém a posição do juízo de primeiro grau. Um agravo interno é interposto, e a decisão é novamente mantida pelo órgão colegiado. 

Assiste razão à instituição bancária? É possível, portanto, realizar a penhora on-line no caso concreto?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50009

Paulo, maior e capaz, e Eliane, maior e capaz, casaram-se pelo regime da comunhão parcial de bens no ano de 2004. Nessa ocasião, Paulo já havia herdado, em virtude do falecimento de seus pais, um lote de ações na Bolsa de Valores, cujo montante atualizado  corresponde a R$ 50.000,00, sendo certo que Eliane, à época, não possuía bens em seu patrimônio. No ano de 2005, nasceu João, filho do casal. Em 2006, Paulo vendeu as ações que havia recebido e, com o produto da venda, comprou um automóvel de igual valor. Em 2007, Paulo foi contemplado com um prêmio de loteria no valor atualizado de R$ 100.000,00, que se mantém depositado em conta bancária. Agora, no ano de 2012, o casal, pretendendo se divorciar mediante a lavratura de escritura pública, decide consultar um advogado.

Pode o casal divorciar-se por meio de lavratura de escritura pública?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
50008

Fábio, em junho de 2006, dirigindo embriagado e sem habilitação, causou, com culpa exclusiva sua, um acidente de trânsito no qual danificou o carro de Marly e lesionou gravemente o passageiro Heron, sobrinho de Marly, com 12 anos de idade. Logo em seguida, no mesmo mês, pretendendo resguardar seu patrimônio de uma possível ação judicial a ser intentada por Marly e/ou Heron para compensação dos danos sofridos, Fábio transmitiu todos os seus bens, gratuitamente, a Antônio, um amigo de longa data que, mesmo sabendo da intenção maliciosa de Fábio, concordou em auxiliá-lo.

Em junho de 2011 já teria escoado o prazo, tanto para Marly quanto para Heron, para ingressarem em juízo?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49925

Transvia, empresa de grande porte concessionária da exploração de uma das mais importantes rodovias federais, foi surpreendida com a edição de decreto do Presidente da República excluindo as motocicletas da relação de veículos sujeitos ao pagamento de pedágio nas rodovias federais, medida que reduz substancialmente as vantagens legitimamente esperadas pela concessionária.

A empresa concessionária tem direito a alguma forma de compensação em decorrência do impacto que o decreto produz na remuneração contratual?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49924

Transvia, empresa de grande porte concessionária da exploração de uma das mais importantes rodovias federais, foi surpreendida com a edição de decreto do Presidente da República excluindo as motocicletas da relação de veículos sujeitos ao pagamento de pedágio nas rodovias federais, medida que reduz substancialmente as vantagens legitimamente esperadas pela concessionária.

É juridicamente possível que o Poder Concedente estabeleça unilateralmente benefícios tarifários não contemplados originariamente no contrato de concessão?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49923

O Município de Cachoeira Azul pretende implementar, com base em seu plano diretor, um importante projeto de criação de espaços públicos de lazer e áreas verdes ao longo dos próximos quatro anos e, para tanto, necessitará de  áreas urbanas que atualmente constituem propriedade privada. O  prefeito, então, encaminhou projeto de lei à Câmara de Vereadores estabelecendo direito de preferência em favor do Município caso os imóveis localizados na área venham a ser objeto de alienação onerosa entre particulares durante aquele prazo.

É juridicamente possível o estabelecimento do direito de preferência por lei municipal e pelo prazo mencionado?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49922

Um órgão da Administração Pública Federal lançou edital de concorrência para execução de obra pública.

Logo após sua publicação, uma empresa interessada em participar do certame formulou representação ao Tribunal de Contas da União (TCU) noticiando a existência de cláusulas editalícias restritivas da competitividade. O TCU, então, solicitou para exame cópia do edital de licitação já publicado e, ao apreciá-lo, determinou a retificação do instrumento convocatório.

Cumprida a determinação e regularizado o edital, realizou-se a licitação, e o contrato foi celebrado com o licitante vencedor.

Entretanto, durante a execução da obra, o TCU recebeu denúncia de superfaturamento e deliberou pela sustação do contrato, comunicando o fato ao Congresso Nacional. 

O TCU tem competência para sustar a execução do contrato superfaturado?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49921

Um órgão da Administração Pública Federal lançou edital de concorrência para execução de obra pública.

Logo após sua publicação, uma empresa interessada em participar do certame formulou representação ao Tribunal de Contas da União (TCU) noticiando a existência de cláusulas editalícias restritivas da competitividade. O TCU, então, solicitou para exame cópia do edital de licitação já publicado e, ao apreciá-lo, determinou a retificação do instrumento convocatório.

Cumprida a determinação e regularizado o edital, realizou-se a licitação, e o contrato foi celebrado com o licitante vencedor.

Entretanto, durante a execução da obra, o TCU recebeu denúncia de superfaturamento e deliberou pela sustação do contrato, comunicando o fato ao Congresso Nacional. 

Foi juridicamente correta a atuação do TCU ao solicitar para exame o edital de licitação publicado?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49920

O governador de determinado Estado da Federação, comprometido com a recuperação do sistema penitenciário estadual, decide lançar edital de licitação para a contratação de uma parceria público-privada tendo por objeto a construção e a gestão de complexo penal, abrangendo a execução de serviços assistenciais (recreação, educação e assistência social e religiosa), de hospedaria e de fornecimento de bens aos presos (alimentação e produtos de higiene). O edital de licitação estima o valor do contrato em R$ 28.000.000,00 (vinte e oito milhões de reais) e estabelece o prazo de quinze anos para a concessão.

É juridicamente possível que o contrato de parceria  público-privada contemple, além dos serviços descritos no enunciado, a delegação das funções de direção e coerção na esfera prisional?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49919

Tício, motorista de uma empresa concessionária de serviço público de transporte de passageiros, comete uma infração de trânsito e causa danos a passageiros que estavam no coletivo e também a um pedestre que atravessava a rua. 

Poderiam as vítimas responsabilizar direta e exclusivamente o Estado (Poder Concedente) pelos danos sofridos? 

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49918

O Estado X lançou edital de concorrência para concessão, pelo prazo de 10 (dez) anos, do serviço de manutenção de importante rodovia estadual. O edital estabelece que o critério de julgamento das propostas será o menor valor da tarifa e prevê, como forma de favorecer a modicidade tarifária, a possibilidade de o concessionário explorar os painéis publicitários localizados ao longo da rodovia. Além disso, o edital também estabelece que os envelopes contendo os documentos de habilitação dos licitantes apenas serão abertos após a fase de julgamento das propostas e com a observância da ordem de classificação, de forma que, habilitado o licitante mais bem classificado, será ele declarado vencedor. 

É juridicamente possível que a fase de habilitação somente ocorra em momento posterior à fase de classificação das propostas?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49917

O Estado X lançou edital de concorrência para concessão, pelo prazo de 10 (dez) anos, do serviço de manutenção de importante rodovia estadual. O edital estabelece que o critério de julgamento das propostas será o menor valor da tarifa e prevê, como forma de favorecer a modicidade tarifária, a possibilidade de o concessionário explorar os painéis publicitários localizados ao longo da rodovia. Além disso, o edital também estabelece que os envelopes contendo os documentos de habilitação dos licitantes apenas serão abertos após a fase de julgamento das propostas e com a observância da ordem de classificação, de forma que, habilitado o licitante mais bem classificado, será ele declarado vencedor. 

É juridicamente possível que o edital de concorrência estabeleça, em favor  do concessionário, a exploração dos painéis publicitários localizados ao longo da rodovia?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49916

O Estado XPTO realizou procedimento licitatório, na modalidade concorrência, visando à aquisição de 500 (quinhentas) motocicletas para equipar a estrutura da Polícia Militar. Logo após a abertura das propostas de preço, o Secretário de Segurança Pública do referido Estado, responsável pela licitação, resolve revogá-la, por ter tomado conhecimento de que uma grande empresa do ramo não teria tido tempo de reunir a documentação hábil para participar da concorrência e que, em futura licitação, assumiria o compromisso de participar e propor preços inferiores aos já apresentados no certame em andamento.

Em se materializando a revogação, caberia indenização aos licitantes que participaram do procedimento revogado?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas
49915

O Estado XPTO realizou procedimento licitatório, na modalidade concorrência, visando à aquisição de 500 (quinhentas) motocicletas para equipar a estrutura da Polícia Militar. Logo após a abertura das propostas de preço, o Secretário de Segurança Pública do referido Estado, responsável pela licitação, resolve revogá-la, por ter tomado conhecimento de que uma grande empresa do ramo não teria tido tempo de reunir a documentação hábil para participar da concorrência e que, em futura licitação, assumiria o compromisso de participar e propor preços inferiores aos já apresentados no certame em andamento.

À luz dos princípios que regem a atividade administrativa, é juridicamente correta a decisão do Secretário de Segurança de revogar a licitação?

 

*** Depois que marcar sua resposta e corrigir, comente a questão para justificar sua opção e compartilhar sua argumentação com outros estudantes. Em alguns minutos o seu comentário e o de outros estudantes sobre essa questão estarão disponíveis clicando no ícone de cor verde no menu superior de sua página.

2011 Fund Getúlio Vargas