BANCO DE QUESTÕES

Por Matéria


Controles Internos e Risco Operacional


Exercício Trecho enunciado da questão Ano Entidade promotora Visualizar
49463

       O Banco do Brasil utiliza uma tabela de categorias de eventos de risco operacional. Em uma Agência do interior do Ceará, o atendente vendeu para seu cliente um produto com rendimento atualizado diariamente. No processamento pós-venda, houve um equívoco na aplicação, gerando perdas para o cliente. Esse evento gerou perdas com ressarcimentos ou indenizações ao correntista.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Nesse caso, o equívoco gerado na aplicação será classificado em que categoria de evento?

2015 Fund Getúlio Vargas
49462

       Escopo é a metodologia utilizada para definir os processos, os sistemas e as localidades relevantes que serão objetos de avaliação, em um determinado período, quanto à eficácia dos controles internos.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Nessa metodologia que aspectos são considerados para definir os processos, sistemas e localidades relevantes?

2015 Fund Getúlio Vargas
49461

     Em junho de 2002, o Congresso Americano aprovou a Lei Sarbanes-Oxley – SOX que foi redigida para recuperar a credibilidade do mercado, abalada pela aparente insegurança a respeito da governança adequada das empresas. Essa Lei instituiu ampla regulação do ambiente corporativo, fundamentado nas boas
práticas de governança cujos focos são os quatro valores de governança.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Esses quatro valores de governança são

2015 Fund Getúlio Vargas
49460

      A modelagem de processos no Banco do Brasil está sendo realizada por meio da metodologia
Business Process Management (BPM), que reúne métodos, técnicas e softwares para modelar, executar, controlar e analisar processos. Essa ferramenta contempla metodologia para auxiliar os gestores na identificação dos riscos.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Nesse contexto, quais as etapas que compreendem essa metodologia de identificação de riscos?

2015 Fund Getúlio Vargas
49459

       O Modelo de Responsabilização é o método utilizado para evidenciar as responsabilidades dos gestores do Banco do Brasil no provimento de informações e adequação dos controles internos adotados para assegurar a fidedignidade das informações contidas nas Demonstrações Financeiras e no Formulário de Referência, nos termos apresentados pela Instrução CVM n.º 480/2009.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Esse modelo corresponde à

2015 Fund Getúlio Vargas
49458

      Os eventos de risco operacional foram agrupados em oito categorias no Banco do Brasil. Esses agrupamentos têm como objetivos agregar e organizar eventos que possuam características semelhantes, permitir a captura, analise e monitoramento dos eventos via sistemas informatizados e facilitar a integração com
órgãos reguladores e a comparação com outros bancos.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos, Compliance e Risco Operacional.


Um evento de perda é classificado em uma dessas oito categorias

2015 Fund Getúlio Vargas
49457

       A mensuração do risco operacional é um importante desafio para a indústria bancária e cada instituição financeira tem buscado adaptar, implantar e desenvolver seus modelos de mensuração. O Basileia II propõe as seguintes abordagens: indicador básico, padronizada, padronizada alternativa, padronizada alternativa simplificada e padronizada alternativa avançada.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


De acordo com as abordagens citadas no texto, identifica-se que o Banco do Brasil utiliza, atualmente, a

2015 Fund Getúlio Vargas
49456

        A Metodologia de Avaliação da Eficácia dos Controles Gerais de Tecnologia da Informação consiste em procedimentos para avaliar os Controles Gerais de TI (CGTI), e está em conformidade com a Metodologia de Avaliação da Eficácia dos Controles Internos.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Essa metodologia tem como um dos propósitos avaliar

2015 Fund Getúlio Vargas
49455

      O Banco Central do Brasil, através da resolução n.º 3.380, determinou que às instituições financeiras e demais instituições autorizadas a funcionar pelo Banco Central do Brasil implantassem estruturas de gerenciamento do risco operacional.


Disponível em:<http://www.bcb.gov.br/pre/normativos/busca/normativo.asp?tipo=res&ano=2006&numero=3380>. Acesso em: 09.04.2015.


De acordo com o texto, identifica-se que a estrutura de gerenciamento do risco operacional deve prever, dentre outros, a

2015 Fund Getúlio Vargas
49454

      O Monitoramento Eletrônico da Conformid ade consiste na avaliação com foco na detecção de fragilidades em processos, produtos e serviços, via aplicação de procedimentos em bases corporativas, como por exemplo, testes estatísticos e filtros em dados de interesse. Na realização de um monitoramento eletrônico os dados disponíveis nos sistemas foram suficientes para a conclusão das análises.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Esse monitoramento ocorreu de forma

2015 Fund Getúlio Vargas
49453

      Entre as ferramentas para auxiliar a implementação e a avaliação de controles internos desenvolvidas por organismos internacionais, o Framework é o direcionador mais conhecido. Esta ferramenta foi elaborada pelo COSO (The Committee of Sponsoring Organizations of the Treadway Commission – Comitê das Organizações Patrocinadoras).


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Que requerimentos de um sistema de controles internos eficaz são apresentados no documento original do COSO?

2015 Fund Getúlio Vargas
49452

      Os princípios propostos por Basileia e a regulamentação definida pela Supervisão Bancária do Brasil são os orientadores da validação de modelos de risco. As regras, principalmente as relacionadas ao uso de modelos internos de riscos pelas instituições financeiras, apontam para a necessidade de adoção de processo de
validação de modelos, realizado por área segregada daquela que os desenvolve, e da área de negócios, que utiliza as informações para tomada de decisão.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


É atribuição da Diretoria de Controles Internos (Dicoi)

2015 Fund Getúlio Vargas
49451

       A etapa de controle do risco operacional no Banco do Brasil consiste em registrar o comportamento dos riscos operacionais, limites, indicadores e eventos de perda operacional, bem como implementar mecanismos de forma a garantir que os limites e indicadores de risco operacional permaneçam dentro dos níveis desejados.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Nesse caso, quais são os instrumentos de controle desse tipo de risco?

2015 Fund Getúlio Vargas
49450

      Em uma dependência do Banco do Brasil de muito movimento e com número reduzido de funcionários, foram
utilizados os serviços da telefonista para o manuseio de cartões de crédito durante guarda e entrega. Esse procedimento deveria ser realizado por funcionário e não por contratado, estando em desacordo com as normas.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Diante dessa situação e considerando situações de descumprimento de normas, qual é a consequência do procedimento realizado?

2015 Fund Getúlio Vargas
49449

        O Rating é uma classificação atribuída às dependências em função do nível de conformidade observado na condução de seus processos internos. A partir da metodologia do Rating, é possível identificar as dependências com menor ou maior nível de conformidade operacional em um conjunto de indicadores.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Ao mensurar a conformidade operacional, o Rating fornece

2015 Fund Getúlio Vargas
49448

      Alguns indivíduos se aproveitaram dos tumultos que ocorrem em uma manifestação popular para explodir caixas eletrônicos e saquear agências bancárias. O prejuízo causado aos bancos devido a essa ocorrência pode ser enquadrado como perda decorrente de risco operacional.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Nessa situação, o fator de risco operacional relacionado é resultante de

2015 Fund Getúlio Vargas
49447

      Um sistema de controle interno, bem concebido e aplicado, oferece segurança razoável, mas não total, de que erros possam ser evitados, minimizados ou descobertos no curso normal das atividades da empresa, de forma que possam ser prontamente corrigidos. Sendo assim, as instituições investem maior esforço no
controle de processos em que, caso ocorra falhas, os danos seriam mais importantes para a organização.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos, Compliance e Risco Operacional.


De acordo com o texto, infere-se que os controles-chave

2015 Fund Getúlio Vargas
49446

      A verificação de conformidade pode ser realizada antes da liberação dos recursos quando direcionada ao processo de crédito ou após a formalização do processo.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


No momento da aplicação tal verificação realiza-se por meio das formas

2015 Fund Getúlio Vargas
49445

       O modelo de gestão dos controles internos, adotado pelo Banco do Brasil, estabelece que as atividades de controle estejam distribuídas em três camadas ou linhas de defesa da Instituição. Sabendo disso a Diretoria de Crédito, como gestora de produtos, ao lançar uma nova linha de crédito no mercado, toma as providências para gerenciamento adequado dos riscos inerentes ao novo produto.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos, Compliance e Risco Operacional.


Diante desse contexto, interpreta-se que a Diretoria de Crédito, como gestora, deve

2015 Fund Getúlio Vargas
49444

        O ato de regularizar as não conformidades deve ser encarado como oportunidade de aprendizagem e reflexão sobre as fragilidades nos procedimentos operacionais dos processos verificados, bem como de m
itigação dos riscos identificados. As regularizações das não conformidades efetuadas pelas dependências
são verificadas pelas Gecoi por amostragem para avaliar a correta regularidade.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


A periodicidade dessa verificação é

2015 Fund Getúlio Vargas
49443

     A ideia de risco está associada a certo grau de incerteza, ou seja, corre-se ri
sco quando existe um desconhecimento de resultados futuros de algum evento, porém há diferença entre risco
e incerteza.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos, Compliance e Risco Operacional. Metodologia e Gestão.


Referente ao risco e à incerteza, infere-se que

2015 Fund Getúlio Vargas
49442

      O sistema de informações gerenciais integra e consolida dados de outros sistemas corporativos, alimentando o processo de tomada de decisões com informações gerenciais e estratégicas. O resultado da verificação de conformidade operacional realizada pela Rede Gecoi é reportado aos Gestores de produto/processo e de Rede por meio de Sumário Executivo.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


O resultado dessa verificação é reportado aos gestores com o objetivo de

2015 Fund Getúlio Vargas
49441

     O FATCA (Foreign Account Tax Compliance Act) é uma regulamentação do Governo Americano. A adesão das instituições financeiras ao FATCA é voluntária, o Banco do Brasil já fez sua adesão, mas a não adesão implica uma série de restrições aos negócios dos clientes dos bancos não cooperantes, inclusive retenção de 30% a título de imposto em transações envolvendo US Persons e/ou de valores oriundos dos USA.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


O FATCA tem como objetivo

2015 Fund Getúlio Vargas
49440

      No Banco do Brasil, foi criada uma área responsável pela formulação das políticas e diretrizes de gestão do risco operacional, que devem atender às disposições do Acordo Basileia II e aos requisitos da Resolução n.º 3.380.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


Essa área criada pelo Banco é a

2015 Fund Getúlio Vargas
49439

A estrutura do acordo de Basileia II está apoiada em três pilares.


Pilar I - Exigência de capital mínimo;
Pilar II - Supervisão bancária;
Pilar III - Disciplina de mercado.


Universidade Corporativa Banco do Brasil. Controles Internos e Risco Operacional.


O Pilar II tem o objetivo de

2015 Fund Getúlio Vargas